BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – Preso desde a terça-feira de Carnaval por ordem do Supremo Tribunal Federal, o deputado Daniel Silveira (PSL) vai ter que fazer sua defesa da cadeia.

O Conselho de Ética da Câmara negou a possibilidade dele apresentar sua defesa presencialmente, conforme pediu seu advogado.

O Conselho também escolheu nesta quarta-feira (24) os relatores dos processos contra Silveira e a deputada FlordeLis (PSD/RJ), acusada de mandar matar o marido

O presidente do colegiado, deputado Juscelino Filho (DEM-MA), anunciou que o deputado Fernando Rodolfo (PL-PE) vai relatar a representação contra Daniel Silveira, acusado de ofensas a integrantes do Supremo Tribunal Federal e de fazer apologia ao AI-5, instrumento utilizado durante a ditadura militar.

Para o processo contra a deputada Flordelis, apontada como mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, foi escolhido como relator o deputado Alexandre Leite (DEM-SP).

DEPUTADOS DO ES RIGONI,EVAIR E HELDER VOTARAM PARA MANTER DEPUTADO PRESO

Só via internet

Indicado como defensor do deputado Daniel Silveira neste processo, o advogado Maurizio Rodrigues Spinelli pediu que o parlamentar pudesse comparecer pessoalmente às discussões.

Como o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tinha autorizado a participação do deputado por videoconferência, o presidente do Conselho de Ética manteve a decisão pela presença de Daniel Silveira por meio virtual.

Gravação ilegal
O Conselho começou a discussão de outro processo contra o mesmo deputado. A representação (17/19), feita pelo PSL, acusa o parlamentar de ter gravado ilegalmente uma reunião do partido.

Daniel Silveira fez sua defesa diretamente do batalhão da Polícia Militar onde está preso, no Rio de Janeiro.

ES, com dez deputados federais,  não tem nenhum representante no Conselho de Ética da Câmara.

Com informações da Agência Câmara

 

- Publicidade -