Governador Renato Casagrande (PSB). Foto: Hélio Filho/Secom

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), construiu a carreira na esquerda. Na ditadura, foi militante do Partido Comunista. Hoje, porém, ele avalia que a polarização do PT com Jair Bolsonaro empobrece o debate.

“Lula diz que polarização é um fenômeno natural. Mas chegamos a um grau de polarização que extrapola o bom senso. Defendo um movimento de centro, alternativo à polarização”, disse.

O governador resgata a figura de Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco e candidato a presidente em 2014, para justificar a busca por uma 3ª via. No entanto, reconhece a dificuldade.

Miguel Arraes, Eduardo Campos e João Campos.

O centro se vê espremido entre duas forças relevantes e os partidos de esquerda terão que decidir o que fazer”, avaliou. Entre essas legendas que disputam o cenário está o próprio PSB.

Ainda assim, Casagrande considera cedo para definições. Ele prega foco no combate à pandemia e diz que um dos legados que a CPI da Covid-19 pode trazer é nortear uma reação conjunta ao vírus.

“Queremos que a CPI funcione, busque responsabilidades, mas, mais que isso, que busque um caminho”.


Estados e municípios foram incluídos na CPI da pandemia. Qual a sua avaliação sobre isso?

É normal que o Congresso possa fiscalizar recursos do governo federal em estados e municípios. Estamos à disposição. Mas o que houve foi uma tentativa de envolver governadores e prefeitos politicamente. Até porque o governo federal tem tratado das informações dirigidas aos estados e municípios de forma muito equivocada. Disse que receberam um volume de recursos que não receberam… No Espírito Santo disse que recebi R$ 16,1 bilhões. Na verdade, foi R$ 1,5 bilhão. Tentar envolver governadores em uma crise é parte de uma estratégia que parte da liderança do governo federal. Natural a fiscalização, mas não é natural que se queira envolver governadores e prefeitos antes de fiscalizar. Tentaram ampliar demais a CPI para não ter efetividade.

Desde o início, pedimos uma coordenação nacional, uma centralidade, orientação única. Mas é contraditória a posição do governo federal. Nos ajudou com recursos no ano passado. Ao mesmo tempo, o exemplo de autoridade do governo federal joga contra a orientação da ciência. Queremos que a CPI funcione, busque responsabilidades, mas, mais que isso, que busque um caminho. A falta desse caminho levou o Brasil ao número de mortes que temos.

PSB nacional lançou nome de Casagrande a presidência

Essa inclusão preocupou governadores e prefeitos?

Tem muito desconforto. O movimento é político. Fazer uma investigação real, adequada, não é o objetivo. A gente diz que numa hora como essa tem que tratar com transparência. Somos o estado mais transparente no uso dos recursos para a covid. Aqueles que não foram assim, tiveram problemas no ano passado. A gente viu secretários de saúde e governadores afastados. O então governador do Rio viveu isso. Mas no Brasil, todos os temas da covid foram amplamente politizados. Até na escolha da CPI houve disputa na internet tentando desqualificar um senador ou outro, ou projetar alguém. Há um pensamento em 2022. Há intenção de limpar um pouco a imagem e atingir a imagem de outros. Não vejo os governadores preocupados quanto às investigações, mas sim com a estratégia política de tentar desgasta-los.

O senhor citou a politização. Mas de quem ela parte?

Acho que é das duas partes. De um lado, governadores que têm interesse na politização. Mas sobretudo o governo federal. Em tudo: máscara, recursos aos estados, etc. Não necessariamente o presidente, mas a sua base. É um enfrentamento cotidiano. Vivemos uma 3ª guerra mundial, convivemos com perdas de muitas pessoas, e temos o enfrentamento permanente. O inimigo tinha de ser só o vírus. Não à toa o Brasil se tornou o epicentro da pandemia.

Na sua opinião, qual o grande erro do governo federal na pandemia?

A visão negacionista. Negou o efeito, as consequências, e o resultado maléfico da pandemia. É por isso que o governo federal recebe críticas internacionais e nacionais: não teve ação. Destoamos de toda a orientação, o que consolidou a imagem de que não há preocupação em preservar vidas. Trocamos 3 ministros da Saúde. Com Queiroga, espero estarmos caminhando de forma diferente porque ele é da área.

E dos governadores e prefeitos?

Não houve padrão porque não tivemos um comportamento igual em todo Brasil. Governadores e prefeitos foram aprendendo a lidar com a pandemia desde o ano passado. Fazendo ajustes, acertos, erros. A pandemia se comportou de forma diferente em tempos diferentes. Isso levou à necessidade de decisões muito rápidas, sem muito conhecimento. Alguém pode ter decidido pela restrição ou contra em momentos errados. Pelo que sinto com os governadores, todo mundo está disposto a acertar, tentando se equilibrar.

O governo federal diz que o STF o impediu de tomar iniciativas na pandemia, garantindo esse direito aos estados e municípios.

A autonomia dada pelo STF a estados e municípios não retira a responsabilidade do governo federal. Foi dada pela falta de articulação nacional. Até porque é o governo federal o grande gestor do SUS, do PNI, não estão aplicando as vacinas? A autonomia é porque o STF viu que o governo não faria nada. Permitiu a reação. Cada um tem bem definido o que pode e deve ser feito.

No ES vocês recomendaram o chamado “tratamento precoce“ contra a covid?

Não, mas não proibimos. Ficou a critério de cada profissional, município, hospital. Mas Não tivemos um protocolo que orientasse. Tivemos uma nota técnica dizendo que o profissional que adotasse teria de acompanhar o paciente.

Na semana passada o sr. mencionou que o estado estava perto da estabilidade nos novos casos. Como está agora?

Nós estamos numa situação de estabilidade. A quarentena de 18 de março a 4 de abril produziu efeitos. Queda no contágio é o 1º. Isso ocorre desde a semana passada. O 2º é no número de pessoas internadas. Estabilizamos na semana passada e nesta deve cair. Reduziu a pressão nas UPAS e PAs. Havia pessoas esperando vagas, esse quantitativo caiu. O 3º é o mais importante: redução de mortes. Ainda não caiu, mas se continuarmos o caminho, teremos isso também.

Alguns países tiveram sucesso com lockdown. A Inglaterra passou de 1.700 mortos por dia em janeiro para 10 no domingo. No Brasil, seria eficiente?

É difícil dizer. Mas o vírus, e isso é comprovado, quando reduz a interação, reduz a transmissão. A quarentena no Espírito Santo funcionou. Em São Paulo, vimos medidas de toque de recolher. No Brasil não tivemos nenhum estado que tenha decretado lockdown. Não temos ambiente político para isso. Mas onde foi feito, teve resultado. Funciona, mas não impede outa onda. Se não tivéssemos adotado as medidas no meio do mês de marco, o sistema de saúde não teria suportado.

É possível pensar em quando a pandemia vai terminar?

Olha, acho que passaremos o ano convivendo com a pandemia. Assim que chegarmos a 50% de vacinados, talvez. Nos Estados Unidos, chegou, mas o número de mortes está perto dos mil, é para observar. Se mantivermos a intensificação da vacinação, vamos levar ainda alguns meses para ter resultado da imunização. Neste ano faremos a gestão da pandemia. No ano que vem, voltaremos a uma certa normalidade.

Mudando de assunto: como o senhor avaliou a volta de Lula ao cenário político?

Presidente Lula é uma liderança importante para o Brasil. Foi presidente e lidera um partido importante. O que o STF decidiu deu a ele mais discurso para conversar com a sociedade. Se for candidato, começa bem posicionado. Isso não retira o problema que o PT vive, que é de rejeição. E essa polarização do PT e Bolsonaro é natural, mas é maléfica, empobrece a política brasileira. Eduardo Campos, quando foi candidato a presidente pelo nosso partido em 2014 já se queixava da polarização do PT com o PSDB. Lula diz que é um fenômeno natural, mas chegamos a um grau de polarização que extrapola o bom senso. É raivosa. Isso é uma cena nova e diferente. Seu retorno influencia significativamente todos os movimentos. Do Bolsonaro, que vê frente a frente com uma figura com prestígio e peso, e do centro, espremido entre duas forças relevantes. Os partidos de esquerda terão que decidir o que fazer. Defendo um movimento de centro, alternativa à polarização.

É possível uma candidatura de centro tirar Lula ou Bolsonaro do 2º turno?

A tarefa ficou mais difícil. Vai depender da capacidade de conversa. Estamos vivendo uma pandemia que impede de tratar o tema como prioridade. Ficará para adiante. E isso facilita a polarização, que se consolida. Mas acho possível conversar, tentar construir um nome alternativo. O PSB dialoga com o campo da esquerda, centro, com o PT, e vai definir uma posição.

Alguns nomes foram colocados. Qual deles conseguiria capitanear o centro?

É muito difícil quais terão essa condição. Não entramos no processo de diálogo. Tenho uma boa relação com o Ciro. É muito preparado para debater propostas para o país. Agora, é preciso avançar no PSB rumo a uma posição, se terá candidatura própria, ou uma aliança fora da polarização. É a minha opinião pessoal.

O nome do senhor chegou a ser lembrado, mas ainda pode concorrer à reeleição. O que pretende fazer em 2022?

Minha decisão será tomada dentro da reflexão do PSB. O partido tomará a decisão de qual caminho seguir. E isso é o que vai definir a minha postura. O presidente do PSB me deu a oportunidade de colocar o meu nome. Eu disse que não estava descartado. Mas disse que era preciso a gente passar por esse momento de pandemia porque não dá para debater temas eleitorais publicamente, rodar o estado neste momento. Minha decisão será em cima da reflexão do PSB.

ENTREVISTA AO PODER 360