BRASÍLIA – AGÊNCIA CONGRESSO – O Congresso Nacional manteve, na sessão de ontem (25) o veto do presidente  Bolsonaro à Medida Provisória 863/18 (Lei 13.842/2019) o que garantiu permanência de cobrança de bagagens em vôos domésticos.
Foram 247 votos contra o veto e 187 a favor. Entre os deputados da Bancada Capixaba, a maioria votou contra: Amaro Neto (PRB), Ted Conti (PSB), Helder Salomão (PT), Lauriete (PL), Sérgio Vidigal (PDT) e até Dra Soraya (PSL) votaram contra o governo.
Apenas dos deputados Felipe Rigoni (PSB) e Evair de Melo (PP) votaram favoráveis. Norma Ayub (DEM) e Da Vitória (Cidadania) não estavam presentes na sessão.
“Sete empresas low cost demonstram interesse em atuar no Brasil com as novas regras. É um voto para ampliar a concorrência e, consequentemente, diminuir o preço das passagens” informou o deputado Rigoni por meio da assessoria de imprensa.
Deputados federais Felipe Rigoni e Evair de Melo foram os únicos que votaram com o governo, pela manutenção do veto

Evair acredita que só vamos conseguir baixar preços de passagens com concorrência. Segundo o deputado, “precisamos criar um ambiente para que isso aconteça, trazendo gente que tem e sabe operar a baixo custo”, disse para a Agência Congresso.

O deputado usou o exemplo do Uber, aplicativo de transporte, como argumento: “a presença do UBER, derrubou preço do táxi e melhorou o serviço. Uma companhia aérea é uma transportadora, cobra pelo que leva”.

A governista Dra. Soraya disse que votou contra o governo porque a redução do valor das passagens prometida quando a bagagem passou a ser cobrada não foi cumprida.

“Compreendo ser uma tarifa abusiva e que causa vários transtornos aos passageiros, principalmente aos mais idosos que precisam se deslocar com bagagens pelos extensos aeroportos, mesmo que pequenas, e colocá-las nos compartimentos do avião, o que se transforma em um peso excessivo para essas pessoas”, disse a deputada.

A deputada Norma Ayub estava ausente, mas disse que se estivesse presente votaria para derrubar o veto.

Para ser derrubado, um veto precisa do voto contrário de 257 deputados. Caso esse número seja atingido na Câmara, haveria votação no Senado, mas, por 10 votos, os parlamentares não conseguiram anular a medida do presidente.

Como votaram os deputados capixabas
Amaro NetoRepublicanosESNão
Dra. SorayaPSLESNão
Evair Vieira de MeloPPESSim
Felipe RigoniPSBESSim
Helder SalomãoPTESNão
LaurietePLESNão
Sergio VidigalPDTESNão
Ted ContiPSBESNão