Deputado federal Helder Salomão (PT-ES)

BRASÍLIA – AGÊNCIA CONGRESSO – A tentativa da Frente parlamentar da segurança, conhecida como bancada da bala, de tentar barrar a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a operação Lava-jato não deu certo.

Os procedimentos formais para a criação da CPI foram realizados antes que os parlamentares desistentes tirassem seu apoio à investigação. O requerimento feito pela oposição teve 175 assinaturas, quatro a mais que o mínimo para a criação da CPI.

O único capixaba que integrou a lista foi o deputado federal Helder Salomão (PT-ES). A Agência Congresso entrou em contato com o parlamentar pela assessoria de imprensa, mas o mesmo se recusou a comentar o fato.

A operação que investiga CPI tem como objetivo investigar toda a operação Lava-jato, com foco especial na ação do então juiz federal Sergio Moro na coordenação dos trabalhos investigatórios.

O requerimento foi feito com base nos diálogos que revelam relações próximas entre o ex-juiz Sergio Moro e membros do Ministério Público Federal do Paraná, revelados pela #VazaJato, uma série de reportagens publicadas pelo site The Intercept Brazil.

Além disso, o texto destaca que mensagens atribuídas a Deltan Dallagnol colocam em dúvida a solidez da denúncia contra o ex-presidente Lula, no caso do tríplex do Guarujá.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na última segunda-feira (16), em evento em São Paulo, que vai avaliar o mérito de pedido de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a conduta dos responsáveis pela Operação Lava Jato.

“Não vi ainda (o documento). CPI precisa ter fato determinado. É isso que preciso analisar nas próximas semanas”, disse Maia, sem descartar a instalação.

Continuar lendo