Início Colunistas

A epidemia da mediocridade

Por Pedro Feu Rosa – Dia desses li uma interessante reflexão atribuída a Carl Gustav Jung, fundador da psicologia analítica: “todos nós nascemos originais e morremos cópias”.
São palavras que, na era do “politicamente correto”, merecem alguns momentos de meditação.
Observe que de uns tempos para cá todos parecem ter a mesma opinião sobre os principais temas relativos à humanidade – e utilizei a expressão “parecem” porque aos que eventualmente discordam de algo reserva-se o limbo ou a discriminação pura e simples.
Fico a recordar, diante deste quadro, das palavras – hoje tão negligenciadas – de Voltaire: “não concordo com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte vosso direito de dizê-las”.
Veja, com olhos de ver, os principais meios de comunicação da humanidade. Observe que todos parecem refletir um só caminho e defender uma só “verdade”.
É difícil neles encontrar uma entrevista ou manifestação de opinião divergente quanto a estas tais “verdades” – as exceções são quase sempre retratadas de forma a minar-lhes a credibilidade. E contemple Voltaire a inquietar-se na tumba.
Pense em alguma reunião social. Experimente emitir alguma opinião diferente daquelas que, rotuladas como “politicamente corretas”, já estejam entranhadas no espírito de seus interlocutores – para constatar-se relegado ao desprezo, enquanto alvo de olhares de reprovação.
Tão mais chocante este quadro quando em contraste com a “Era da Informação”, da qual tanto nos orgulhamos enquanto humanidade.
A despeito de fascinados pela oportunidade da troca de ideias com pessoas de cada canto e recanto deste planeta, quão poucos de nós ousam questionar aqueles “conceitos estabelecidos”.
Seria o nosso conformismo fruto do medo da solidão? Afinal, integrar uma massa – ser um “animal de rebanho”, nas palavras de Nietzsche – é uma tendência que brota do receio do isolamento social.
O perigo deste agir é que, excluindo-nos da história, a ela alçamos, aqui e ali, déspotas e falsos profetas – que o diga a patente e inequívoca decadência espiritual e moral da humanidade.
Contemplando tão triste realidade, encerro estas linhas com a profunda indagação de Spinoza: é possível fazer da multidão uma coletividade de homens livres, em vez de um ajuntamento de escravos?

Pedro Valls Feu Rosa é jornalista, escritor e desembargador no ES. E escreve regularmente para a AGENCIA CONGRESS0