BRASÍLIA -AGENCIA CONGRESSO – O Brasil errou feio no combate ao coronavírus, e continua errando. “Deveríamos ter seguido os exemplos que deram certo no mundo, como da própria China que usando o isolamento social impediu que o vírus se propagasse”.
“O presidente (Jair Bolsonaro) acha que a economia é mais importante que o ser humano, mas o ser humano é mais importante que a economia”, afirmou a senadora Rose de Freitas (Pode-ES), em entrevista exclusiva ao site Agência Congresso.
Ela também considerou um absurdo a reunião ministerial do dia 22, cujo vídeo divulgado ontem integra o inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal. 
AGC – Esperava viver uma situação dessas?
Nunca pensei. Ninguém pensou que uma pandemia dessa fosse tomar conta do mundo. Nada se falava sobre o vírus, ao contrário de outras epidemias. Ele veio com enorme voracidade e ninguém alertava sobre distanciamento.
Senadora Rose: Nunca pensei viver uma situação dessas
AGC – O país errou no combate ao coronavírus?
Errou e continua errando. A China adotou isolamento e impediu que o vírus se propagasse para todo o país. Como não tem vacina, esse deveria ter sido o comportamento do Brasil. E não esse abre e fecha, por pressão comercial. A vida das pessoas é mais importante que a economia. Resultado; o coronavírus se transformou neste monstro.
AGC – O Congresso fechado atrapalha?
 
O Congresso não está fechado, está funcionando remotamente, votando o que tem que votar, toda agenda da pandemia – que desorganizou tudo – está sendo votada. O presidente acha que economia é mais importante, mas o ser humano é mais importante que a economia. Pessoas perderam o emprego, o efeito é danoso, mas alguns se adaptaram e estão trabalhando de casa.
AGC – Viu o vídeo da reunião ministerial?
Um absurdo, para mim não se tratava de reunião ministerial, a fala deles não foi nada republicana, um deboche, um absurdo. Tudo que se falou ali merece o repúdio de todos, de quem não votou em Bolsonaro, e de quem votou.

Casos de coronavírus e número de mortes no Brasil em 23 de maio

As secretarias estaduais de Saúde confirmam no país 340.887 casos do novo coronavírus, com 21.678 mortes.