- Publicidade -

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – As mudanças ministeriais anunciadas ontem pelo presidente Jair Bolsonaro têm objetivos claros: blindar a si próprio e à sua família das denúncias de corrupção, afirma o deputado federal Helder Salomão (PT/ES).

E acrescenta: “atender deputados aliados com a liberação de verbas e de cargos, e radicalizar com a ameaça de um novo golpe”, completou.

O petista ainda criticou o fato da reforma ministerial, de ontem,  não ter focado, em nenhum momento, o combate a pandemia.

Helder, ao lado do deputado Felipe Rigoni (PSB), foram os únicos da bancada capixaba a votar contra o nome do deputado Arthur Lira (PP/AL) para presidência da Câmara, em fevereiro passado.

Lira é aliado de Bolsonaro e o único parlamentar do Congresso que poderia, como presidente da Câmara, abrir um processo de impeachment contra Bolsonaro.

O Brasil hoje lidera, no mundo, os casos de covid, estando a frente de países como México, Rússia e Estados Unidos.