Só três partidos no ES tem chance de eleger deputados federais, PP, PSB e PRB

BRASÍLIA -AGENCIA CONGRESSO – Deputados da bancada federal do PDT estão preocupados com o desempenho do partido nas eleições do ano que vem.

Sem coligação, e com um candidato a presidente, Ciro Gomes, que não decola nas pesquisas, o partido pode encolher no Congresso Nacional.

A entrada do juiz Sergio Moro na disputa tirou espaço de Ciro. O PT tem enviado recados a dirigentes pedetistas para fazer uma federação com PSB, PC do B, e PDT.

Resolução do diretório nacional do PT, da semana passada, ampliou as conversações também com PSOl e PV. Mas não com o PDT

SERGIO VIDIGAL APOIA

No ES o PDT encontra dificuldade de formar chapa para federal e eleger pelo menos um deputado. Para isso precisaria somar pelo menos 160 mil votos.

A maior liderança do partido, prefeito da Serra Sérgio Vidigal, apoia a federação mas não se manifestou sobre a retirada de Ciro.

Ele já assumiu compromisso de apoiar a reeleição do governador Renato Casagrande, o que o deixa numa saia justa.

Federação daria chance de Vidigal eleger a mulher, Sueli, e salva a reeleição de Helder Salomão (PT)

Formar a federação também seria a salvação de Helder Salomão, candidato a reeleição, mas sem coligação. Sozinho não se elege. E o ex-prefeito João Coser decidiu concorrer a deputado estadual.

As federações partidárias permitem que dois ou mais partidos se unam, funcionando como se fossem uma única legenda. Precisam permanecer unidos de forma estável durante pelo menos os quatro anos do mandato legislativo e seguir as mesmas regras do funcionamento parlamentar e partidário.