BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) se movimenta para evitar a divulgação da lista de parlamentares beneficiados em 2020 e 2021 por emendas do relator, o chamado orçamento secreto.

Embora a medida tenha sido determinada pelo STF, Lira argumenta ser inviável, pois a lei não previa esse nível de transparência.

Na CMO (Comissão de Orçamento) a atual presidente, senadora Rose de Freitas (MDB-ES) mandou fazer um levantamento das emendas.

O problema é que as emendas são exclusivas do relator e do grupo de beneficiados, maioria lideranças políticas do Congresso.

Já em relação aos parlamentares capixabas é pouco provável que tenham sido beneficiados. A bancada tem pouco peso nas decisões do Parlamento.

Nos bastidores, há o temor que essa divulgação provoque uma crise na base, com deputados e senadores descobrindo que receberam (muito) menos que colegas.

Quem o próprio Lira beneficiou dá para rastrear. Documentos do Ministério do Desenvolvimento Regional mostram quem o presidente beneficiou.

Lira destinou R$ 83,9 milhões a municípios de prefeitos aliados, incluindo o de seu pai, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Alagoas.

(Com Agências)

- Publicidade -