- Publicidade -

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – O PP decidiu botar uma pedra no caminho da candidatura à reeleição da senadora Rose de Freitas (MDB).

Mas o partido não pretende sair da coligação do governador Renato Casagrande (PSB), porque isso seria prejudicial a eleição de sua chapa de deputados.

O provável apoio à pré-candidatura do coronel Ramalho ao Senado não deve prosperar. O partido ainda está digerindo a escolha de Casagrande que não contemplou a sigla com vaga na majoritária.

Para o presidente regional do PP, Marcus Vicente, o partido não foi ouvido sobre a vaga ao Senado: “Queremos discutir o Senado”, afirmou para a AGENCIA CONGRESSO.

Vicente que é ex-deputado federal e ex-secretário de Casagrande, lembra que ainda existe tempo para essa discussão ( Senado).

“Temos até o dia 15 de agosto”, lembra, citando a legislação eleitoral. Outros dois deputados fazem coro à ‘aventura Ramalho’, Da Vitória e Neucimar Fraga.

Já a deputada federal Norma Ayub (PP), parente de Ricardo Ferraço, prefere ignorar as conversas do seu partido a favor de Ramalho. Ela não participou da reunião do partido com o coronel.

A senadora Rose de Freitas se diz tranquila em relação ‘a pedra no caminho’ e lembra que já enfrentou coisas piores. Diz que acredita na capacidade política de articulação do governador.

Ramalho foi procurado pela AGENCIA CONGRESSO mas preferiu o silêncio.