BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou, nesta terça, que equiparar o aborto após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio é uma “irracionalidade”.

A declaração foi feita durante sessão plenária. A fala de Pacheco ocorreu após diversos senadores comentarem a audiência sobre o tema realizada no plenário da Casa na segunda-feira (17).

Na ocasião, o senador Eduardo Girão (Novo-CE) convidou uma contadora de histórias para interpretar um texto contrário à assistolia fetal como método de aborto legal.

DIREITO

Pacheco ainda defendeu a legislação atual, que prevê o aborto em casos de estupro, risco de vida da gestante ou por anencefalia.

“Evidente que uma menina estuprada, uma mãe estuprada, tem o direito de não conceber aquela criança, essa é a lógica penal respeitado os entendimentos religiosos que existem, mas essa é a lógica política e jurídica estabelecida no Brasil”, disse o presidente do Senado.