- Publicidade -

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – Uma viagem de dois dias a Brasília para ajudar a decidir que rumo tomar em 2018. “O senado é a primeira opção”, disse o deputado estadual Sérgio Majeski.

Ele está de malas prontas para deixar o PSDB. Convites não faltam. Por qual partido? essa é uma segunda questão. Dono de um cacife eleitoral invejável, ele seria reeleito estadual como o mais votado.

Também se elegeria facilmente para a Câmara Federal. Hoje teria – somente na Grande Vitória – de 80 a 100 mil, também segundo avaliação do mercado político.

“Majeski teria mais votos para federal do que Sérgio Vidigal, que sai da Serra eleito, mas a cada eleição fica menor”, comenta um deputado que pede anonimato.

Opinião

“Majeski tem o voto de opinião. Ele pega do conservador ao progressista, gente que quer uma nova politica. Se sair para estadual será o mais votado”, afirma Gustavo De Biase da REDE, partido que também espera por Majeski.

Nesta sexta o parlamentar capixaba vai se reunir com a direção da REDE, Pedro Ivo Batista, Bazileu Margarido e  Raphael Nobre. Marina Silva não participa porque seu pai está muito doente.

PSB

Hoje Majeski foi recebido com honras pelo ex-governador Renato Casagrande, na sede da Fundação João Mangabeira, no Lago Sul. ”Falaram muito sobre educação e pouco sobre política”, segundo testemunhas.

Mas agendaram novas conversas. “Ele faz parte desse movimento por mudança e pode ser candidato a qualquer coisa”, disse Casagrande, que reiterou convite de filiação.

Sobre educação a pauta principal foi a prioridade para formação contínua e valorização dos profissionais; melhoria da infra-estrutura escolar; acesso e permanência dos alunos e gestão democrática.

       

FOTOS – Majeski conversou também com o senador Randolfe Rodrigues, da REDE, e visitou o plenário da Câmara com o deputado Evair Melo (PV).