Tragédia foi em 2015 e até hoje empresas se beneficiam da omissão da Justiça

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – A União e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo apresentaram nesta quinta-feira (6/6) uma contraproposta no valor de 109 bilhões de reais para que seja celebrado acordo com as mineradoras Samarco, Vale e BHP.

Elas são responsáveis pelo rompimento da Barragem de Fundão, em 2015. A contraproposta prevê que o valor seja pago em 12 anos.

O prazo leva em consideração a proposta das próprias empresas para que o repasse dos recursos fosse feito em 20 anos, descontados os oito anos que já se passaram desde a tragédia.

Os valores deverão ser integralmente utilizados para financiar medidas reparatórias e compensatórias de caráter ambiental e socioeconômico que serão assumidas pelo Poder Público a partir da celebração de eventual acordo.

Até o momento, a proposta das mineradoras é para que sejam destinados 72 bilhões de reais para as medidas. Os governos calculam que serão necessários 126 bilhões de reais para a integral implantação das reparações e compensações necessárias.