BRASÍLIA – O economista, ex-deputado e ex-ministro da Fazenda dos governos militares, Delfim Netto, de 93 anos, diz que em 2022 a eleição do ex-presidente Lula (PT) é uma opção melhor que a reeleição de Jair Bolsonaro para o mercado financeiro.

“Bolsonaro seria a continuação do mesmo, até piorado. Ele vai se cansar do Guedes. De forma que, seguramente, o encaminhamento do Lula seria melhor [para o mercado financeiro]”, afirmou ao ser questionado qual dos dois traria mais riscos à economia do país.

Delfim diz que Lula teria mais chances de aproveitar as oportunidades globais e marca o que considera as suas diferenças para Dilma Rousseff, sua sucessora.

“A administração do Lula foi muito boa. Não podemos confundi-la com a da Dilma. A Dilma era voluntariosa, tinha ímpetos complicados. Basta ver a tragédia que ela fez no setor elétrico. Lula não fez isso”, afirmou.

Para Delfim, o Brasil vive neste momento uma tempestade perfeita. São 3 componentes: pandemia, aquecimento global e governo de Jair Bolsonaro.

“Hoje você precisaria de um governo mais tranquilo, mais servil. E o que nós temos? “A combinação do atual governo com a pandemia e o aquecimento global é a tempestade perfeita”, afirmou.

Aos 93 anos, Delfim passou a maior parte da pandemia em casa, de onde saiu poucas vezes. Os contatos têm sido pelo telefone e plataformas de vídeo. Ele diz que não pegou covid e já está vacinado.

Na ditadura militar, foi ministro de 2 presidentes. Com Artur da Costa e Silva, comandou o Ministério da Fazenda. Com João Figueiredo, primeiro a Agricultura, depois o Planejamento.

Delfim é considerado um dos responsáveis pelo “milagre econômico”, que foi um período de alto crescimento da economia nos anos 70.

Após o fim da ditadura, foi deputado federal por 20 anos, de 1987 a 2007. É professor aposentado.

(Entrevista ao Poder 360/Fotos arquivo Secom)

- Publicidade -