Portal IMPRENSA – Em uma palestra no Festival Gabo, na Colômbia, Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, admitiu a disseminação de fake news por meio do aplicativo durante o período eleitoral brasileiro.

“Nas eleições brasileiras, foram enviadas mais de 100 mil notícias falsas para a central telefônica criada para checar essas informações repassadas pelos usuários”.

Pela primeira vez, o WhatsApp confirmou  que  empresas enviavam mensagens em massa e violavam as regras do aplicativo durante as eleições de 2018 no Brasil.

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, disse.

Desde que o WhatsApp restringiu o encaminhamento de mensagens para cinco contatos por vez, em janeiro, o encaminhamento de mensagens caiu em 25%. O objetivo da medida foi tentar  combater a ferramenta para disseminação de fake news. Nas eleições de 2018 era possível mandar mensagens para grupos com mais de 200 pessoas.

“Levamos isso muito a sério por isso lançamos primeiro no Brasil as mudanças no aplicativo, como o símbolo que indica que a mensagem foi encaminhada e o limite de usuários que a recebe de uma só vez”, disse Ben.