Senadores na sessão deliberativa desta quarta-feira, observados pelo público nas galerias do Plenário

BRASÍLIA  AGENCIA CONGRESSO – Debatida à exaustão na Câmara dos Deputados, primeiro numa Comissão Especial, depois em plenário – onde ainda está sendo votada – a reforma da Previdência não deve demorar 30 dias para ser aprovada no Senado.

Quando chegar à Casa, em agosto, os senadores devem levar no máximo um mês para apreciar a matéria. Nos bastidores alguns senadores já se movimentam para garantir uma tramitação rápida.

A senadora Rose de Freitas (ES) já disse que pretende atuar para incluir estados e municípios no texto, o que fará o projeto voltar – parcialmente – à Câmara.

De acordo com alguns senadores, a reforma receberá votos favoráveis de mais de três quintos da Casa.

“Pelo que tenho conversado com alguns senadores, a minha aposta é de que teremos pelo menos 60 votos a favor da proposta. Vai ser mais fácil de votar aqui no Senado”, afirmou o senador Chico Rodrigues (DEM-RR).

“A situação do Senado é serena, e todos já têm conhecimento do que foi votado e aprovado até agora. Acredito que vamos aprovar a PEC, pois o Brasil espera do Senado Federal uma confirmação do que foi aprovado na Câmara”, disse o democrata.