Bancada feminina da Câmara

BRASILIA – AGÊNCIA CONGRESSO – O Podemos, presidido pela deputada federal Renata Abreu (SP), quer acabar com a cota de 30% para candidaturas femininas.

O projeto dela (Renata) está sendo criticado inclusive por parlamentares homens, pela bancada feminina no Congresso, inclusive as três deputadas do ES e a senadora Rose de Freitas (ES), do Podemos.

”É um absurdo. Lutamos muito para garantir essa cota. Inclusive eu fui uma das deputadas que à época foi ao TSE se reunir com a então presidente ministra Rosa Weber pedir para manter essa conquista”, disse a senadora.

Senadora Rose de Freitas 


A deputada federal capixaba Norma Ayub (DEM) disse para a Agência Congresso que “A sensibilidade e determinação natural da mulher são fundamentais nos avanços sociais, que todos nós almejamos”.

“Por ora, seria prematuro falar com objetividade. O que posso adiantar é que entendemos ser fundamental promover cada vez mais a participação da mulher no cotidiano partidário, e consequentemente na discussão das políticas públicas prioritárias, com alcance social e melhoria na qualidade de vida efetiva do povo sofrido do nosso país”, disse a capixaba.

Dra Soraya (PSL) pensa que “apesar de as cotas serem uma forma de igualar oportunidades, acredita que não seja a forma mais justa para garantir a presença feminina na política.

No entanto, ela afirma que “mesmo que timidamente, [as cotas] têm contribuído para que partidos insiram as mulheres em seus ambientes. Acho que o debate no Congresso é pertinente e este é o momento para entendermos a melhor forma da mulher participar da política no Brasil”.

Deputadas federais Capixabas Norma Ayub, Dra Soraya e Lauriete


Para a deputada Lauriete (PL) “a iniciativa merece reflexão e defendo a união de forças para vencer os paradigmas. A verdade é a necessidade de as mulheres ocuparem espaço, acima de qualquer limite de vagas”.

O PL 2996/19 acaba com a obrigatoriedade de que cada partido ou coligação reserve 30% de candidaturas femininas, contida na atual Lei Eleitoral (Lei 9.504/97).

A autora da proposta, Renata Abreu, é presidente nacional de uma legenda e disse que o texto que está efetivamente em discussão é o PL 4130/19, que foi apresentado posteriormente por ela, apensado ao PL 2996/19 e que não acaba com a cota de 30% de candidaturas femininas.

A matéria aguarda o Parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, para ir a plenário.

Continuar lendo