Deputado federal Felipe Rigoni

Para o deputado federal Felipe Rigoni (PSB), o trabalho em home office gera alguns ganhos, mas também perdas: ” As votações são mais rápidas mas o debate está prejudicado”, afirma.

Segundo deputado mais votado do ES em 2018, com quase 85 mil votos, Rigoni avalia que o poder esta ‘muito concentrando’, em relação às pessoas que decidem o que vai ser votado ou não. Mas admite que a produtividade aumentou

“Neste período de pandemia conseguimos votar mais coisas do que em períodos normais. Mas o debate fica prejudicado. Em função disso é que decidi participar presencialmente de 15 em 15 dias para ter alguma influência sobre o que está sendo votado. E faz diferença a presencial”, acrescentou.

Protocolo de volta

Sobre o retorno das sessões no plenário do Congresso, o parlamentar acha que é hora de voltar, mas que é preciso fazer um protocolo de volta, disse para a Agência Congresso, por telefone.

“Mesmo que fique 10% dos deputados em plenário porque a pandemia não vai permitir que todos voltem. Acho que tem que começar a fazer um protocolo de volta para ter um debate mais qualificado e a representatividade ser mais inclusiva”. LEIA TAMBÉM

Sessões presenciais no Congresso só após eleição municipal. Ano perdido