Codesa, empresa que administra o Porto de Vitória-ES, será privatizada, segundo o governo.

BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – A Secretaria Especial do PPI – Secretaria Especial do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) definiu 79 leilões para 2020. A Codesa no Espírito Santo ficou para 2021.

A novidade são parcerias público-privadas nos municípios nas áreas de iluminação pública (Cachoeiro de Itapemirim), tratamento de resíduos sólidos, e saneamento (1).

Martha Seillier. secretária especial do PPI, disse que o desafio para 2020 está na parceira público e privada com estados e municípios.

O que ainda não está na lista para 2020 é a concessão total dos portos de Santos (SP), São Sebastião (SP) e Codesa (ES).

O do Espírito Santo é tratado como projeto piloto para estrear em leilão em 2021. “Estamos na fase de estudos, definições de modelo, avaliação de riscos, até mesmo os prazos para atuação, que variam de porto para porto”, diz Seillier.

Cachoeiro

A iluminação pública de Cachoeiro de Itapemirim também entrou na lista do governo federal,das parceria público-privadas, incluídas no PPI de 2020.

A Codesa desde o início do governo Bolsonaro foi “tomada” de políticos do PSL local que queria lotear a empresa, que durante décadas funcionou como cabide de empregos.

Candidato derrotado a Câmara Federal, (foto) o empresário Marcos Guerra (PSL) chegou a ser indicado por lideranças do PSL local para presidir a companhia. Mas foi atropelado pelo próprio governo.

O ministro Tarcísio Freitas – Infraestrutura -impediu que a Cia Docas do ES continuasse a ser usada como moeda política a troco de apoio político no Congresso. E incluiu a empresa no plano de privatização.

Guerra saiu no prejuízo, perdeu a eleição e a articulação, depois de apoiar nome do ex-deputado Manato para o Sebrae, a troco de sua indicação para Codesa.

Manato que não tem vinculação política com o setor, foi eleito novo presidente do Conselho Deliberativo Estadual (CDE) do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Espírito Santo (Sebrae/ES).

Continua no cargo, mesmo depois de ter sido demitido sumariamente da Casa Civil do governo Bolsonaro.