BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – Pela primeira vez nesta legislatura, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), foi criticado no plenário da Câmara Federal.

Hartung foi acusado de perseguir aliados políticos dos seus adversários, de fracassar nas áreas de saúde e educação, e tramar para tomar o controle de partidos políticos.

Coube a única mulher da bancada, Norma Ayub (DEM), descer o cacete em Hartung “Seu pacote de maldades e incompetências é infinito”, disparou.

A deputada também pediu desculpas ao povo capixaba por ter caminhado ao lado de Hartung, na última eleição, quando concorreu a vaga de deputada federal e ficou na suplência.

“Reconheço que errei ao caminhar a seu lado”, disse a deputada que abriu seu pronunciamento dizendo que Hartung não sabe o que quer e o que faz.

Por fim, a deputada também criticou o governador por manter o PT a seu lado “Desculpe governador, não me cabe julgá-lo. Deus é quem cuida disso, se é que o senhor acredita nele”, concluiu.

Três servidores ligados ao marido de Norma, o deputado estadual Theodorico Ferraço, (DEM), teriam sido demitidos por Hartung, após Ferraço declarar apoio a candidatura do ex-governador Casagrande (PSB).