BRASÍLIA -Embora a equipe do candidato Jair Bolsonaro (PSL) tenha interesse em negociar o apoio do também postulante ao Planalto João Amoêdo para o segundo turno das eleições.

O presidenciável pelo Novo afirma que não fará qualquer aliança com o capitão reformado do Exército.

Em nota, Amoêdo afirma que “jamais esteve ou estará com Bolsonaro” e nega que tenha havido qualquer contato do PSL sobre a segunda fase do pleito. “Amoêdo não ocupará ministério em nenhum governo. Também jamais chamará Bolsonaro para compor o ministério em seu eventual governo”, escreveu.

Nesta terça-feira (18/9), responsáveis pela campanha de Bolsonaro à Presidência da República afirmaram ao Correio Braziense que já havia sondado um eventual apoio de Amoêdo ao candidato e, em troca, seria negociado um cargo no governo, se eleito.

A pasta dada a Amoêdo seria ou do Planejamento ou da Transparência — áreas que fazem parte do discurso do partido, que prega o combate à corrupção e aos privilégios de servidores.

O diálogo entre eles, de acordo com pessoas próximas ao Bolsonaro, seria para trazer uma pessoa de centro-direita, para tentar abrandar a trajetória do capitão reformado do Exército, conhecido pelo posicionamento da direita radical.

AGÊNCIA CB por GABRIELA VINHAL