BRASÍLIA – O número de homicídios em 4 dias de escalada de violência no Espírito Santo é 1.525% maior que o registrado em todo o mês de janeiro de 2017.

O Sindipol/ES (Sindicato dos Servidores Policiais Civis do Estado do Espírito Santo) contabiliza 65 assassinatos desde sábado (4.fev.2017). Foram 4 em janeiro.

Policiais militares não atuam nas ruas do estado desde sábado (4.fev.2017). A paralisação é organizada por parentes dos agentes. Concentram-se nas portas dos batalhões e impedem a saída de agentes e viaturas.

A Secretaria de Segurança Pública não divulgou 1 balanço oficial sobre as mortes.

Nas redes sociais, imagens mostram o DML (Departamento Médico Legal) com vários corpos. Câmaras frigoríficas reforçam as operações.

A Fecomércio (Federação do Comércio) do Espírito Santo estima 1 prejuízo de R$ 4,5 milhões para o setor nos últimos 4 dias. A Federação recomendou que empresários fechem as lojas enquanto não houver garantias de segurança.

Ontem, 2ª feira (6.fev.2017), o governo do estado pediu o reforço do Exército e da Força Nacional. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciou o envio de cerca de 1,2 mil agentes.

O comando da Polícia Militar foi trocado. O coronel Nilton Rodrigues assumiu no lugar de Laércio Oliveira, que ficou menos de 1 mês no cargo. O governo do Espírito Santo está sob comando do vice-governador César Colnago (PSDB-ES). O governador Paulo Hartung (sem partido) está afastado por razões de saúde.

Serviços públicos
As aulas estão suspensas em colégios estaduais e instituições de ensino superior. O pedágio na ponte que liga Vitória e Vila Velha foi fechado para facilitar do tráfego.

O secretário de Segurança André Garcia divulgou 1 vídeo na manhã de hoje (3). Afirma acompanhar as operações do Exército para “retomar o controle da situação”.

Com informações Poder 360