BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – O Congresso Nacional está funcionando só para ‘inglês ver’. As atenções estão totalmente voltadas para a eleição e para a formação do novo ministério.

De agora em diante serão quatro meses de paralisia remunerada. Até o 2º turno não se vota nada. Depois tem a montagem do ministério, em seguida o recesso parlamentar de dezembro.

Em janeiro as duas Casas, Câmara e Senado, não votam nada. Tem início outra batalha política; eleição dos presidentes da Câmara e Senado, e respectivas mesas diretoras.

Os novos congressistas tomam posse dia 2 de fevereiro mas ai tem Carnaval. Cai no início de março, mas durante o mês de fevereiro os parlamentares costumam montar suas assessorias efetivando nomeações.

Votação de leis mesmo, só em abril, porque em março ainda precisam ser compostas as comissões técnicas das duas Casas. Sem elas, pareceres de projetos não podem ser emitidos. Produtividade mesmo só em abril .

PATO MANCO

Em entrevista nesta quarta-feira (10), o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que o próximo presidente da República é quem deve capitanear reformas no país.

Até lá nada anda. No dia 28 de outubro, os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) vão disputar o segundo turno da eleição presidencial de 2018.

— Fazer reformas agora não sei nem se será adequado neste momento. Reformas de maior profundidade têm que ser feitas pelo próximo presidente, é ele quem vai governar o Brasil pelos próximos quatro anos — disse Eunício, que não foi reeleito para o Senado.