BRASÍLIA – AGENCIA CONGRESSO – Candidato ao Senado com apoio do governador Paulo Hartung (MDB), o deputado estadual Amaro Neto concedeu entrevista a AGENCIA CONGRESSO pelo whatsapp, dia 6, e admitiu a preferência pelo PRB.

Também criticou o desempenho da bancada federal no Congresso. Disse que os parlamentares não discutem os problema do ES com a sociedade, e confirmou que só disputa Senado “Mais nada”.

Não esclareceu, no entanto, quais seriam suas propostas para o Senado, nem como poderiam ser solucionados problemas que há décadas travam o desenvolvimento do ES, como a falta de duplicação de rodovias (262 e 101) portos, aeroportos e ferrovias.

Deputado, o sr. já decidiu pelo PRB, ou permanência no SD?

Dep Amaro Neto: Olha a janela será aberta amanhã. (quarta 7/3) Tenho uma conversa avançada no PRB. No entanto ainda estou no SD. A definição acontecerá nos próximos dias.

Sua candidatura é somente ao Senado? Ou pode ser federal?

Sou pré candidato ao Senado com apoio de 20 dos 30 deputados estaduais do ES. Após nossa eleição à prefeitura de Vitória fui estimulado por lideranças do Estado a colocar o nome à disposição. Tenho algo bem construído para estar na chapa da possível candidatura à reeleição de Paulo Hartung. Nas pesquisas de consumo interno que tive acesso estamos numa excelente condição. Então não existe pensamento de mudar para a candidatura à federal. Até por que entre os colegas deputados existem os que buscam a disputa a câmara.

As pesquisas apontam seu nome para o Senado?

Vi três pesquisas. Uma do PSD na GV. Outra do PSDB em todo o estado. E outra de um amigo deputado com eleitores da Serra. Nas três estamos muito bem.

O sr. é evangélico?
Sou, mas não congrego em nenhuma igreja. Tenho simpatia pela igreja adventista. Fui dizimista da adventista.

Em sua campanha para o Senado, o que pretende defender para o ES? Já tem alguma proposta em vista? o que na sua opinião o Estado mais precisa?

Importante a pergunta pois nossos senadores apesar do bom trabalho em Brasília, deixaram nosso estado de lado. Não participam do dia a dia das cidades e do estado.
Não debatem os problemas, não apontam caminhos e não trabalham pelo Estado.

O ES há décadas apresenta os mesmos problemas, falta de duplicação das BR 101 e 262, obra do aeroporto, portos e ferrovias que não saem do papel. Na sua opinião como isso poderia ser resolvido ?

A duplicação da BR 262 foi pergunta minha a Renato Casagrande, então senador, em 2010 como jornalista num debate da Record. Pois ele afirmou a época que o trânsito dele em BSB, sendo governador teria facilidade para destravar a obra. Não rolou nada. O aeroporto tá para ser inaugurado. O Estado é pequeno e não encontra união dos parlamentares em todos os níveis.

Uma demonstração de união e força aconteceu agora na Assembleia quando vencemos a eleição da mesa diretora e o apoio da grande maioria dos colegas para o lançamento da pré candidatura ao Senado

Essas informações podem ser usadas em matéria a ser publicada por este site?
Dep. Amaro Neto: Sim. Sem problemas

Essa pergunta ficou sem resposta – O que pretende defender para o ES em sua campanha para o Senado? Já tem alguma proposta em vista? o que na sua opinião o Estado mais precisa?

Estamos construindo uma agenda com propostas e ações para apresentar no debate eleitoral. Aqui na última eleição para prefeito apresentamos ideias e debatemos temas importantes que o adversário que saiu eleito colocou em prática como: Transporte aquaviário, desburocratização, linha preferencial de ônibus, Cerco eletrônico de segurança com câmeras OCR, concessão de parques e sambódromo dentre outros.O estado precisa de uma bancada federal mais unida e aberta ao debate com vários atores do Estado

O ES viveu uma crise de segurança em fevereiro do ano passado que deixou os capixabas reféns da falta de diálogo entre governo e PM. Quem errou?

Os dois lados que não entenderam o movimento. Primeiro o governo não conseguiu dialogar. Perdeu o time para segurar o movimento e depois os organizadores que perderam a chance de ganhar o apoio da população quando o caos está instaurado. O movimento começou no sábado e teve o ápice na terça feira.

Até hoje parece que a “corda está esticada” entre governo e PM. A sociedade corre o risco de sofrer outra greve?

No domingo o governo não conseguiu diálogo. E na quarta o movimento se perdeu. Esticaram demais a corda dos dois lados.

Considerada que hoje a questão está encerrada?
Encerrada não está…existem insatisfações e como não estou no dia a dia do governo não tenho o pulso disso. Faço o Balanço Geral e vejo no meu trabalho como jornalista e parlamentar que a PM tá na rua tentando fazer o melhor. Mas precisa da valorização permanente do executivo e da sociedade.

Deputado, para encerrar a entrevista; a possibilidade de se filiar ao PRB é maior do que ficar no SD?

Depende de circunstâncias de âmbito local. Hoje o deputado Manato pode deixar o SDD para ir para o PSL e se tornar o braço político de Bolsonaro no Estado. Isso me deixa numa situação complicada de permanência no partido. Apesar dele confiar no nosso trabalho para tocar o SD. O projeto do PRB é importante e sou um dos únicos apresentadores da Record fora do partido. Então só nos próximos dias podemos cravar onde vamos disputar a eleição de 2018.

O apoio do SD a Bolsonauro é um complicador para o sr?
Não sei se isso existe. Em BSB isso é certo?

O SD do ES apoia Bolsonauro via Manato. Mas a nível nacional está indefinido, ora com MDB de Temer, ora com Maia do DEM.

Manato é parceiro, amigo e aliado de Bolsonaro. Ele vai para o PSL para isso. O SD em paaqui tem figuras que apoiam o Bolsonaro. No entanto esses colegas migram com Manato.

Então o sr. vai assumir a direção do SD no ES?
Depende. Manato é meu elo no SD. Sem ele não sei se permaneço.

Então fica complicado. Manato é ligado a PM que não apoia Hartung, que não apoia Bolsonauro. Alguém vai ter que ceder?

Amaro Neto: Kkkkkkkk. Verdade. Mas só com o passar dos dias teremos uma resposta.